Ex-Presidente

1 de junho de 1999 - 13:58

Lidivaldo R. Raimundo Britto

O desembargador Lidivaldo Reaiche Raimundo Britto foi presidente da Ampeb por dois mandatos consecutivos, de 1999 a 2003.

Biênio 1999/2001

A votação para escolha da Diretoria Executiva e Conselhos Fiscal e Consultivo da Ampeb, biênio 1999/2001, foi realizada em 03 de maio de 1999, a partir das 8h30, na sede da entidade de classe. A convocação para o escrutínio foi feita por meio de edital, datado de 15/03/1999, publicado no Jornal A Tarde de mesma data.

A comissão receptora e apuradora foi composta por Hermenegildo Virgílio de Queiroz (presidente), Olímpio Coelho Campinho Júnior e Suely Barbosa Requião (secretária). Após a apuração dos votos, foram registrados 173 por carta e 266 presenciais. Ao todo, foram recebidos 439 votos. Destes, seis foram nulos e quatro brancos. 153 eleitores deixaram de votar. Nesta eleição, a chapa “Trabalho e luta”, de Lidivaldo Britto, recebeu 306 votos. A chapa “Composição” teve 123 votos.

No dia 18 de junho de 1999, às 20h, no auditório do Fiesta Bahia Hotel, localizado na Avenida Antônio Carlos Magalhães, foi empossada a nova Diretoria composta pelos seguintes membros:

Diretoria

Presidente – Lidivaldo Raimundo Britto

Vice-presidente – Nivaldo dos Santos Aquino

Diretora Secretária – Maria Cristina Andréa Bastos

 Diretor Administrativo – Oscar Araújo da Silva

Diretor Financeiro – Waldemir Leão da Silva

Diretor Cultural – Paulo Marcelo de Santana Costa

Diretor Social – Ricardo Régis Dourado

Conselho Consultivo: Lúcia Bastos Faria Rocha, Rochita Pales da Rocha, Sara Mandra Moraes Rusciolelli Souza. Suplente: Lígia Jabur Abud.

Conselho Fiscal: Lúcia Helena Pinto Ribeiro, Antônio Sérgio dos Anjos Mendes, Ulisses Campos de Araújo. Suplentes: Tânia Regina Oliveira Campos e Santos, João Alves da Silva Neto e Edmundo Reis Silva Filho.

Biênio 2001/2003

No dia 02 de maio de 2001, na sede da Associação do Ministério Público do Estado da Bahia (Ampeb), após realização da Assembleia Geral Ordinária (AGO), que aprovou as contas da Diretoria, deliberando sobre o seu relatório e o parecer do Conselho Fiscal durante os anos de 1999 a 2001, foi instalada a Comissão Receptora e Instaladora de votos para a escolha da Diretoria Executivas e Conselhos Consultivo e Fiscal do biênio 2001/2003.

A convocação para as eleições foi feita através de edital, datado de 08 de março de 2001, o qual foi publicado no Jornal A Tarde no dia 10 de março do mesmo ano.

A Comissão Eleitoral era formada pelos mesmos integrantes da eleição anterior: Hermenegildo Virgílio de Queiro (presidente), Olímpio Coelho Campinho Júnior e Suely Barbosa Requião (secretária).     

Após finalização do tempo permitido para votação, contabilizou-se, separadamente, 71 votos por carta, sendo que 66 foram cartas não postadas e cinco enviadas através dos Correios, com postagem em Salvador. Na ata da eleição consta o registro de decisão judicial protocolada pelo juiz corregedor plantonista, Joselito Rodrigues de Miranda Júnior, nos autos de n° 9.359/01 – Ação Cautelar Inominada, proferida em 27 de abril de 2001, complementada por decisão de 30 de abril do mesmo ano, para a realização dos votos conforme descrito anteriormente.

Aberta a urna, foram computados 410 votos. Posteriormente, obteve-se o seguinte resultado:

– Chapa “Trabalho e Luta”: 315 votos

– Chapa “União, Responsabilidade e Independência”: 89 votos

Foram quatro votos em branco e dois nulos. Deixaram de votar 57 eleitores.

As notas colhidas em separado (71), por força de decisão judicial, foram colhidas após a contagem da urna. Destas, 58 votaram na chapa “Trabalho e Luta” e 10 votaram na chapa “União, Responsabilidade e Independência”. Ainda houve dois votos em branco e um nulo.

Não obstante a decisão judicial acordada, a chapa menos votada impugnou os cinco votos que foram postados em Salvador, por eleitores residentes na Capital, sob o argumento de que não atendiam aos requisitos do art. 13 do Regulamento das Eleições. Por decisão da Comissão Eleitora, esses cinco votos foram também contabilizados em separado.

A chapa eleita foi a “Trabalho e Luta”, que conduziu Lidivaldo Reaiche Raimundo Britto à reeleição.

No dia 13 de junho de 2001, às 20h, no salão Lotus do Fiesta Bahia Hotel, situado no bairro do Itaigara, em Salvador, em sessão solene presidida pela presidente em exercício da Ampeb, Nivaldo Aquino dos Santos, tomaram posse os seguintes membros eleitos:

Diretoria Executiva:

Presidente – Lidivaldo Reaiche Raimundo Britto

Vice-presidente – Airton Juarez Chastinet Mascarenhas Júnior

Diretora Secretária – Maria Cristina Andrea Bastos

Diretor Administrativo – Paulo Marcelo de Santana Costa

Diretor Financeiro – Oscar Araújo da Silva

Diretor Cultural – Adalvo Nunes Dourado Júnior

Diretor Social – Ricardo Régis Dourado

Conselho Consultivo: Lygia Jabur Abud, Sara Mandra Moraes Rusciolelli de Souza, Arnaldo Augusto Goulart Novis. Suplente: Gilberto Costa de Amorim Júnior.

Conselho Fiscal: Lúcia Helena Pinto Ribeiro, Tânia Regina Oliveira Campos e Santos, José Renato Oliva de Mattos. Suplentes: Wanda Valbiraci Caldas Figueiredo, Roberto de Almeida Borges Gomes, Marcelo Pinto de Araújo.

Todos os Ex-Presidentes